Na avenida da minha vida, componho e compartilho a ferro e flores de todas as emoções, inquietações e explosões de uma jornada profunda, intensa e fascinante.
Seja Bem vindo!

sexta-feira, 24 de setembro de 2010

O Bar da Miroca

Ah! O que seria das pessoas sem os amigos! Principalmente os de bar?
São eles que nos entendem, pois o teor alcoolico ajuda a resolver tantas coisas, pelo menos distrai, esquece, sorri, vive, bebe...
Depois de um longo e tenobroso inverno, eu voltei para o bar da Miroca, esse meu regresso já faz algumas semanas, embora tenha brigado com o dono, aquele lugar já faz parte da minha biografia.
Esse bar é uma instituição democrática. Praticamente um Sindicato de companheiros de um mesmo sentimento. Foi nesse lugar onde vivi grandes momentos, confesso, bebi em grandes escalas.
Lá travei grandes debates filosóficos, politicos, poéticos, amorosos, passionais...
Tem um poema do Mario Quinana que sempre gostei, que fala da erudição das garrafas e da gargalhada até o crânio rachar.E é sempre assim, gargalhando que fechei esse bar muitas vezes, após pedir à saideira.
Muitas foram as cervejas, os Hi Fi, do Gim gostava apenas do cheiro.
Vastas conversas, boas risadas, violão dedilhando, musicas cantando...
Dos velhos e bons companheiros que adoram Gonzaguinha e Chico Buarque.
Dos poetas que pagam a conta com versos e humor, mas lá pro final da noite, as conversas sempre ficam mais sérias e inicia-se a discussão sobre a vida.
Gosto bastante das lembranças que carrego de lá. O Verissimo numa de suas crônicas fala do Rubens que toma tudo por ele. Ele sempre pedia duas doses. Uma para ele e outra para o Rubens. Claro, que é o Rubens quem saia bebasso.
Enfim, bebi com muita gente interessante, nem dá para citar nomes, pois foram muitas pessoas legais. Pessoas boas de copo e boas companhias
Alguns amigos importantes, preferem não voltar a esse bar, deixando versos e saudades.
Aprendi muito sobre cerveja e pessoas.
Fiquei inebriada pela música, bebida, luz e amigos que só nos dão motivos a voltar.
Brindemos então o Bar da Miroca, que aliás é uma grande amiga e anfitriã.

10 comentários:

  1. Obrigada Mayra, pelas palavras tão gratificantes.
    Vc sabe, faço questão da tua presença adorável sempre....Não me abandone jamais....
    Valeu mesmo!!!
    Beijos 1000
    Miriam

    ResponderExcluir
  2. Você realmente pegou a essencia do Bar da Miroca, e com certeza serão mas conversas, mais bebedeiras, mais papos filosoficos, mais amores, mais tudo... o Bar da MIROCA é nosso QUINTAL DE CASA! Hoje e Sempre! Bjs Renata

    ResponderExcluir
  3. Queridas Meninas,
    Obrigada pelo carinho e companheirismo caloroso.
    Vamos em frente, sempre juntas.
    Um beijo,

    ResponderExcluir
  4. Ola Al,
    Fica na Rua José Maria Liboa com a Pamplona, no Jardins.

    ResponderExcluir
  5. Em noites inebriantes: delírios, diálogos, devaneios, confissões; sorrisos, lágrimas, gargalhadas. Divagam-se todos os assuntos num recinto onde todos são iguais... sejam pessoas do samba, sejam da corda bamba; pessoas comuns, lendárias ou fabulosas... impossível traduzir em significado simples a complexidade destas madrugadas se de dia juramos lá não mais voltar tão cedo, mas nos descobrimos mais tarde novamente um morcego, querendo sugar até a última gota a companhia querida de todos... mágica, fábula, mito? Há que se duvidar existir em outro lugar, por exemplo, uma carona de carangueijo.... rsrsrs... né, Mayra??? rsrsrsrs

    ResponderExcluir
  6. Pois é, Carona de carangueijo... gostei da expressão. rsss.
    Obrigada pelo carinho da postagem.
    bjs

    ResponderExcluir
  7. Puxa! Obrigado pela informação! Jurava que ali era o Viana! Bjs!

    ResponderExcluir
  8. desculpe Al, não expliquei direito!
    Realmente lá é o Viana, mas tem uma galera que conhece como Bar da Miroca.
    Bjs

    ResponderExcluir